terça-feira, 8 de agosto de 2017

Estamos mudando de local na Unifesp


A Meditação Caminhando no Labirinto está mudando de local 
no Complexo Unifesp-EPM-HUSP. 
Oportunamente será aqui comunicado.

sábado, 24 de junho de 2017

segunda-feira, 19 de junho de 2017

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Ouvir o corpo no Labirinto


Ao iniciar a caminhada no Labirinto, muitas vezes nossa atenção fica focada no próprio caminho, nos limites, nas curvas, e ao mesmo tempo em nosso pensamento. Poucas vezes prestamos atenção em nosso corpo.
Algumas vezes o nosso corpo também pode nos dizer alguma coisa sobre a caminhada no Labirinto. O jeito de pisar, a pressa de dar os passos, ou o contrário, os passos nos prendem. O corpo mais tenso ou mais relaxado. Os músculos dos ombros mais tensos ou mais relaxados. E assim por diante.
Ouvir o corpo no Labirinto pode também ajudar a uma melhor interiorização e melhor compreensão de nós mesmos e nossa situação no momento de caminhar. Também pode ser uma forma de descobrir as coisas que estão causando estresse e começar a lidar com essas coisas.

A Meditação Caminhando no Labirinto faz parte do Programa de Humanização em Saúde do Complexo Unifesp-EPM-Hospital Universitário São Paulo. 

sábado, 5 de novembro de 2016

Focar uma intenção ou uma pergunta no Labirinto


     Alguém pode fazer a caminhada no Labirinto para trabalhar mentalmente uma intenção, um objetivo, ou tentar encontrar uma resposta para uma pergunta ou uma dúvida.
     Pode-se, por exemplo, querer preparar seu estado de espírito para algum determinado evento, antes de fazer uma palestra, antes de fazer uma prova, ou ainda de alguma reunião ou encontro em que se sente que estar com uma “paz interior” pode ser importante.
     Pode ser também outro tipo de intenção. Pode ser alguma coisa de natureza emocional, um incômodo interior, ou com alguma pessoa. Isso não quer dizer que a caminhada no Labirinto vai substituir a necessidade de alguma forma específica de terapia. Mas, fazer a caminhada pode até mesmo ajudar a pessoa a vislumbrar aspectos a serem levados à terapia.
     Nos dias de hoje, tem sido difícil as pessoas terem algum tempo e espaço para fazerem uma calma reflexão a respeito de diversas coisas que as pessoas precisam pensar e falar consigo mesmas. A caminhada no Labirinto pode ajudar nisso, com o movimento do corpo naquele trajeto, enquanto a pessoa faz suas reflexões, além de com toda sua simbologia o Labirinto poder ajudar a fazer novas descobertas ou insights. 

sábado, 8 de outubro de 2016

O Labirinto e o exercício de perdoar a si mesmo


     A estudiosa do Labirinto, Dra. Lauren Artress, em seu livro The Sacred Path Companion – A Guide to Walking the Labyrinth to Heal and Transform escreve sobre a Meditação Caminhando no Labirinto e o exercício de perdoar a si mesmo.
     Ela diz que uma das mais pesadas cargas espirituais que alguém pode carregar é a inabilidade de perdoar a si mesmo. Circunstâncias e acontecimentos mal resolvidos podem levar a uma autocrítica exacerbada e haver sempre uma voz interna dizendo “Deveria ter feito isto, deveria ter feito aquilo”, em uma forma de ataque contínuo a si mesmo.
     Assim, ela recomenda que, quando a mente estiver aquietada durante a caminhada e o caminhante tiver deixado de lado seu próprio ego com suas questões mais imediatas, passar a perguntar-se: o que tenho contra mim mesmo? Uma forma de lidar com essa pergunta é reconstruir mentalmente a história do evento que causou esse sentimento. Ou ainda recordar o que diferentes pessoas comentaram sobre esse acontecimento.
     Depois disso, a pessoa deve procurar “ouvir” o que o Labirinto tem a responder, ou a revelar a respeito do assunto. Depois de ter feito a caminhada, o caminhante pode escrever, para sua própria reflexão, a respeito do que vivenciou no Labirinto.
     Eventualmente, essa pessoa pode contar com a ajuda de alguém, de forma amistosa ou profissional, para trocar ideias a respeito do que foi vivenciado. 

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

O Professor Cortella falou sobre “O Caminho”


     Quem já caminhou pelo nosso Labirinto teve contato com um texto lido após as caminhadas onde consta a seguinte frase: “A vida não é vivida só de metas; a vida é vivida nos caminhos”.
     Em 10 de Janeiro de 2016, o jornal O Estado de São Paulo publicou matéria assinada pelo jornalista Vitor Hugo Brandalise, contendo entrevista com o professor e filósofo Mário Sérgio Cortella, que nos lembrou da frase acima e da Meditação Caminhando no Labirinto.
     O texto do jornal inicia comentando que “houve um tempo em que o caminho importava”, citando conhecida frase do poeta sevilhano Antonio Machado, na qual ele aponta que “O caminho se faz ao caminhar”.
     A seguir acentua-se que não se liga mais para o caminho e que apenas se quer chegar o mais rápido possível, sem mesmo olhar para os lados. Existe no texto certa acentuação para o Waze, ou o GPS como uma espécie de clímax desse descuido com o caminho, na medida em que cita a frase de Uri Levine, o criador do Waze, onde ele diz que “as pessoas não pensam mais por onde estão indo”.
     Cita-se então os dizeres do professor Cortella, dizendo que “se vive um momento de obscurecimento da paisagem”. Ele reforça então que já não se aproveita a jornada e se pede a possibilidade de ampliar as visões. Antigamente a viagem em si já era uma distração, o trajeto tinha sua função. Já valia o passeio. Havia “o passeio”, que já tinha em si uma finalidade. Junto a perda dessa “capacidade” perde-se também a imaginação, a criatividade, a noção do universo. O repertório de imagens se estreita.  
    O professor Cortella acentua que perde-se o encantamento do mundo, não se olha para o horizonte, a paisagem se desnaturaliza em “um mapinha” à frente. Muda-se a maneira de lidar com o tempo, de modo que ele não possa ser utilizado para o ócio. A noção de ócio fica distorcida como “vagabundagem”. Foi retirado o valor da pausa.
     Umas das coisas que acentuamos na Caminhada no Labirinto é a recuperação do valor da pausa.
     Cortella diz também que a viagem também é uma forma de se conhecer, de se reconhecer, de saber mais sobre si mesmo. A viagem pode ajudar a “objetivar minha subjetividade”. Comenta também que a viagem quando por demais planejada, ou cheia de antecipações, pode também limitar o aproveitamento que pode decorrer de certa ilusão, que fica diminuída com muitas facilidades do mundo digital.
     Enfim, as reflexões do professor Cortella reforçam alguns aspectos da Meditação Caminhando no Labirinto, quando se propõe a um retorno do lado humano relativo ao caminhar, não desprezando evidentemente os ganhos da tecnologia, desde que sejam instrumentos para beneficiar as pessoas.